Pesquisar este blog

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Expositor Horizontal para Carnes


Sob medida ou padronizado, com as opções de máquina fora ou embutida.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Câmaras Frigoríficas

Sob medida, desmontáveis, com máquina ou sem.
Para resfriamento ou para congelados, ante câmaras pra desossa, etc...

Consulte valor conforme sua necessidade.

Fone/Whats (51) 9948 -8311



sábado, 9 de abril de 2016

Adegas sob medida

Acredito que 2016 vá ser um bom ano para o setor de bebidas. Ao que parece, muitas pessoas terão ótimos motivos para estarem bêbados.
Algumas ideias de adega em ambientes específicos dentro de supermercados:




sábado, 26 de março de 2016

Muito importante!

15 segredos que os supermercados não querem que você saiba

Ninguém escapa dos supermercados, por isso é sempre bom saber daqueles segredinhos que os proprietários não querem que você que você saiba.

1. Se você for em um supermercado por causa de uma promoção e não tiver mais o produto, saiba que é obrigação do supermercado te oferecer uma alternativa pelo mesmo preço.

 
Enquanto um estabelecimento comercial estiver anunciando suas promoções, o mesmo é obrigado a ter os produtos referentes no estoque enquanto estiver no horário comercial.

2. Nunca esqueça: Os produtos que estão próximos de vencer a validade são colocados na frente nas prateleiras.

O ideal é sempre procurar pegar itens no fundo da prateleira, principalmente se você não for consumir aquilo logo. Além disso, é claro que você deve estar sempre atento à validade do produto.

3. Certas promoções são “compensadas”: ou seja se a cerveja está em promoção, é bem provável que a carne do churrasco vai estar mais cara.

Nenhum mercado colocará para perder, saiba disso.

4. As prateleiras de baixo são direcionadas às crianças, por isso produtos mais caros que chamem a atenção delas costumam ficar por ali.

E os pais que pagam o pato por toda incomodação que isso causa.

5. Fique esperto, aquele papo de “compre 1, leve 2” pode não ser bem assim.

Não se permita iludir. Sabemos que esse tipo de promoção faz os olhos brilharem, mas não podemos nos deixar levar, sem antes averiguar.

6. Produtos com preço errado não são culpa da pessoa que está no caixa.

Os preços estão em um sistema.

7. Fique atento ao produto que está consumindo. Sucos, refrigerantes e outras bebidinhas geladas geralmente estão mais próximas da data de vencimento.

 Se você não for beber na hora, opte pela bebida quente.

8. Se um funcionário dar o troco errado, avise-o. Pois ele provavelmente irá pagar pelo dinheiro a mais que te deu.

Dependendo do valor, o funcionário terá que pagar pela sua desonestidade.

9. Não há problemas em perguntar para um funcionário onde está um produto que você não encontrou.

É bastante fácil e rápido pesquisar no sistema da loja se eles tem o produto em estoque.

10. É verdade, alguns supermercados realmente trocam a data de validade dos produtos.

 É lamentável, mas se você comprou um produto com mais de uma etiqueta, alterado ou vencido, segundo o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor você tem até 30 dias para reclamar.

11. Por esse motivo, no caso de frios, opte por itens embalados pelo fabricante ou fatiados na hora.

Preste muita atenção, pois eles podem estar com o adesivo de marcas mais conhecidas ou já terem sido embaladas mais de uma vez, com outras datas de validade.

12. O mesmo vale para a carne moída, já que as bandejas podem ter até pedaços de carnes estragadas na mistura.

É assustador, mas real. Alguns supermercados misturam retalhos de outros cortes e até mesmo de carnes vencidas nas carnes já embaladas. Ou seja: é melhor aguentar a fila do açougue.

13. Tenha em mente que a diferença de preço e de peso entre produtos congelados e resfriados não é relevante assim, por isso prefira congelados se você não for cozinhar logo.

Os produtos resfriados sofrem mais do que os congelados, embora os cuidados de armazenamento de ambos sejam basicamente os mesmos.

14. Não deixe de olhar a notinha enquanto estiver no caixa, porque algum item pode ter sido registrado duas vezes por engano.

15. Nunca deixe de lavar aquilo que você comprou antes de armazenar, pois os ratos e baratas são mais frequentes nos depósitos do que você gostaria de saber.



Veja mais em: http://www.equilibrioemvida.com/2016/01/segredos-supermercados/#ixzz43zauscYg

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Uma curiosidade e um pouco da história da refrigeração!

Durante séculos, antes da refrigeração, uma prática russa antiga para não deixar o leite estragar era soltar um sapo em um balde com a bebida.

Nos tempos modernos, muitos acreditavam que isso não passava de uma lenda um tanto nojenta. Entretanto, pesquisadores da Universidade Estadual de Moscou, liderados pelo químico orgânico Dr. Albert Lebedev, mostraram que pode haver benefício nisso.
As caixas térmicas só se tornaram disponíveis para os consumidores no início e meados do século XIX e, com isso, o comércio de refrigeração tornou-se um grande negócio. Inglaterra e Noruega se tornaram grandes fornecedoras de gelo, mas, como existiam muitos lugares frios, esse comércio se expandiu muito além desses dois países.
Normalmente feita de madeira com estanho ou zinco nas paredes e material de isolamento, como serragem, cortiça, ou palha; as caixas eram muito populares e se tornaram obsoletas quando a geladeira elétrica começou a ser comercializada por volta de 1930.
Jacob Perkins inventou a primeira versão do refrigerador em 1834, quando foi descoberto que um composto de amoníaco perigoso, quando liquefeito, tinha um efeito de arrefecimento. Entretanto, foi apenas no final dos anos 20, quando “Freon” foi desenvolvida pela General Motors e a DuPont como uma agente de refrigeração "não tóxico", que as geladeiras começaram a ganhar força no mercado.
Apesar da prevalência de gelo em partes da Rússia, em algumas aldeias rurais pequenas, muitos não tinham acesso a caixas térmicas, então eles tiveram de encontrar maneiras de manter as coisas refrigeradas e sem estragar seu conteúdo. A prática de colocar um sapo no leite continuou durante todo o século 20. Esta, ainda que bastante curiosa, foi uma inspiração para um estudo e, em seguida, para uma descoberta que pode levar a uma nova fonte significativa de antibióticos.
Em 2010, cientistas da United Arab Emirates University fizeram um anúncio que as secreções de certas peles de rã possuem propriedades antibacterianas e antifúngicas. Usando espécies nativas dos países africanos, eles estudaram os compostos provenientes dos sapos, que são conhecidos como peptídeos antimicrobianos.
Depois de isolar estes compostos, eles começaram a testá-los contra várias infecções bacterianas. Por exemplo, o temido "Iraqibacter", uma infecção bacteriana resistente a drogas que tem sido conhecida por afetar os soldados feridos no Iraque. A doença pode ser combatida com um composto encontrado na pele de um sapo nativo da América do Norte.
Em 2012, cientistas da Universidade Estadual de Moscou decidiram levar isso além. No estudo, usaram sapos marrons da Rússia, que são comestíveis e considerados uma iguaria, e extraíram secreções por meio de eletrodos.
O resultado foi um coquetel de 76 peptídeos diferentes, em que todos tinham propriedades diferenciadas. Michael Zasloff, professor na Universidade de Georgetown, EUA, e um ex-pesquisador nos Institutos Nacionais de Saúde, disse: "O que é surpreendente é que não há duas rãs com o mesmo coquetel. Elas são todas diferentes”. Entretanto, ainda há opiniões que não concordam com a nova descoberta.
O professor de farmacologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Moscou alega: “Há substâncias naturais que trabalham muito bem em laboratório, mas podem ser inativas ou até mesmo tóxicas quando dadas para um ser humano”, salientou.
Mais pesquisas serão feitas para validar as descobertas.

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Centrais de negócios crescem 6,1% e aumentam participação no setor supermercadista gaúcho


Cada vez mais enxutas e focadas no desenvolvimento coletivo dos seus associados, as centrais de negócios voltaram a crescer acima da média do setor supermercadista gaúcho no ano passado, aumentando para 15,2% sua participação no segmento de supermercados no RS – a maior representatividade desde que o modelo de centrais foi criado, na década de 1980. Originado em Santa Maria, o formato consolidou-se no Brasil ao longo das últimas décadas e, em 2014, voltou a ganhar força no Estado, conforme aponta o Ranking Agas das Centrais de Negócios divulgado nesta segunda-feira (1º) pelo presidente da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas), Antônio Cesa Longo. O estudo mapeia o desempenho das 14 principais redes de compras do autosserviço do RS e aponta as tendências deste segmento para os próximos meses. O crescimento nominal no faturamento destas centrais em 2014 foi de 12,5% sobre 2013, o que significa um crescimento real de 6,1% - já deflacionado pelo IPCA/IBGE.
Segundo o levantamento, os mini e supermercados ligados às centrais de negócios gaúchas registraram, juntos, um faturamento total de R$ 3.681.567.164,57, de um total de R$ 24,1 bilhões que passaram pelos caixas dos supermercados do RS em 2014. A participação destas redes, em 2013, era de 14,8% no total do setor. “O Ranking mostra a evolução das redes que, com menos associados, encontraram a fórmula para o crescimento sustentável. Este também é um sinal de que os pequenos supermercados têm um grande diferencial em relação aos grandes, que é a possibilidade do olho no olho com o cliente. Entender o consumidor é a regra número um do supermercado de sucesso”, justifica Longo. “Enquanto as empresas ligadas às redes de compras cresceram 6,1% em 2014, a média de crescimento do setor foi de 3,4%”, lembra o presidente.
A participação das redes de negócios supermercadistas no PIB Estadual também aumentou, passando de 1,05% em 2013 para 1,18% em 2014. Juntas, as 14 centrais de compras avaliadas pela Agas congregam 673 lojas e empregam diretamente 12.956 funcionários, um crescimento de 2,6% na mão de obra em relação ao ano anterior, mesmo com 16 lojas a menos.
O Ranking Agas das Centrais de Negócios de 2014 mostra, ainda, a evolução do desempenho destas companhias no quesito faturamento por loja, que cresceu de em média R$ 4,7 milhões por unidade em 2013 para R$ 5,4 milhões de faturamento médio por unidade em 2014. O número médio de caixas disponíveis por loja também aumentou de 3,6 em 2013 para 3,8 no ano passado.
Os destaques – Juntas, as cinco maiores centrais de compras do Estado respondem por 68,1% do total do faturamento das redes, e concentram 67,8% da mão de obra das centrais. As três redes que mais cresceram em 2014, na comparação com 2013 foram, pela ordem, a Rede Ammpa, de Porto Alegre (+61,7%); a Rede União, de Erechim (41,1%); e a Super Passo, de Passo Fundo (25,4%).
Novo líder – A principal mudança no Ranking Agas das Centrais de 2014 ocorreu na liderança, com a Rede Super, de Santa Maria, superando aRede Unimax de Supermercados em faturamento e assumindo a primeira posição. “Trata-se de uma rede modelar e muito forte em sua região, pioneira na implantação deste modelo associativista no Brasil”, explica o presidente da Agas, Antônio Cesa Longo.
Veja o Ranking das Centrais na íntegra:

Notícia da AGAS

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Retornando ás atividades

O blog ficou um bom tempo abandonado em função de várias coisas, mas a vida é dinâmica e não para, então...vamos em frente! Em breve com notícias do setor e mais idéias para suas instalações!

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Equipamentos para cozinhas industriais

Steel Kitchen, produtos de qualidade feitos sob medida ! Mais informações acessem o link do site.
Galeria de imagens dos produtos, aqui.

domingo, 29 de janeiro de 2012

Buffet para Sushi




O interessante neste trabalho foi o fato de que, em mais de duas décadas no ramo, foi a primeira vez que me solicitaram algo assim. Bom, o cliente gostou, espero ter a oportunidade de trabalhar mais neste segmento.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Histórias da refrigeração

     Já ha muito nossos ancestrais deram-se conta de que preservar alimentos era melhor do que sair á procura dos mesmos o tempo todo. E a engenhosidade e criatividade humana foram fazendo testes, experiências, algumas bem sucedidas e outras bem frustrantes.
     Evidentemente muitos fatos interessantes, curiosos e engraçados fizeram parte desta busca.
Neste novo segmento do blog,vou contar um pouco desta história e histórias que fazem parte da história, algumas eu vivi, outras ouvi de gente que ouviu...Estou neste ramo desde 1987, e isto em si já rende uma história, mas fica pra outra oportunidade...
    Vou contar uma que me contaram, sem nomes nem datas, mas provavelmente foi naquela época em que refrigeração se resumia no seguinte: Vendia-se balcões (qualquer peça era balcão) e por metro.
     Então, diz a lenda que um certo vendedor foi atender um cliente que já estava mais informado,com mais perguntas, que questionou o seguinte:
     __O equipamento é bifásico ou monofásico?
E vendedor bom nunca deixa uma pergunta sem resposta, então ele mandou:
     __Ha, bifásico, monofásico, tanto faz, é tudo fásico!!

O "causo" termina assim, mas...Será que deu certo??

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Vídeos/Projetos

Estou fazendo alguns testes ainda, em arquivos grandes está difícil...







Bom, o negócio é seguir em frente, tentando até acertar!

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Aumenta investimentos em cozinhas indistriais

A correria do dia a dia, o trânsito para se deslocar e a independência feminina – o que mantém as mulheres mais tempo fora de casa – são alguns dos diversos motivos que induzem as pessoas a se alimentaram fora do lar, fato que torna o setor de food service cada vez mais crescente no Brasil.

De acordo com a última Pesquisa de Orçamento Familiar realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2008/2009, o brasileiro está gastando 31,1% das suas despesas com alimentação fora do lar. No penúltimo levantamento, de 2002/2003, constatou-se 24,1%. Estes dados confirmam a ascensão da alimentação fora do domicílio no país. Segundo o IBGE, as vendas da indústria para o setor de food service foi de 16,7% em 2010, o que representa mais que o dobro do PIB nacional do mesmo ano, fechado em 7,5%.

 

 

Segundo o diretor da ECD, consultoria especializada em Food Service, Enzo Donna, este contexto é favorável apenas para os restaurantes que estiverem atentos às inovações. "A Alimentação fora do lar tornou-se hábito dos brasileiros e os estabelecimentos devem atentar-se a este cenário equipando suas cozinhas com produtos de qualidade que melhorem a produtividade do profissional e proporcionem padronização dos pratos, garantindo a segurança alimentar", explica.

Se a expansão do setor seguir a linha dos últimos anos, para 2014, as despesas com alimentação fora de casa podem chegar a 38,2%. E, seguindo esta visão, as indústrias que fornecem equipamentos para a área devem estar preparadas para a procura. Com o desenvolvimento de profissionais e a valorização da dietética e nutrição para alimentos que não são produzidos em casa, hoje, alimentar-se fora do lar é uma tendência que deixou de ser preocupação. Por isso, é indicado que as companhias equipem suas cozinhas e façam seus estabelecimentos crescerem junto à demanda.

Para o diretor operacional da Cozil, João Carlos Caminha, as empresas já estão acompanhando o crescimento do setor. "Nos últimos anos, o número de vendas aumentou de forma relevante, o que nos incentiva cada vez mais a fazermos investimentos em novas tecnologias que atendam as necessidades do mercado", lembra. 


Fonte da notícia aqui

terça-feira, 22 de março de 2011

Lancheria

O espaço agrega almoços e lanches, facilitando a agilidade no atendimento e praticidade para o cliente. A platibanda com banquetas atende a necessidade de quem precisa ser rápido e não precisa acomodar-se de forma demorada. Dois atendentes suprem a demanda, um no caixa e outro na pesagem, ficando o resto das funções a quem estiver nos "bastidores" (na porodução, ajudantes, enfim)

Mercado, equipamentos Refrimate e sob medida